MC Miltinho, e o processo contra os produtores do game GTA nos tribunais


A história de MC Miltinho, o funkeiro carioca de oito anos que está enfrentando os produtores do game GTA nos tribunais e conseguiu proibir a comercialização do jogo em todo o mundo



“Ninguém pode me derrubar, nem com tiro de bazuca.” Quem vê Miltinho jogando o game Grand Theft Auto IV, mais conhecido como GTA, olhos vidrados na tela, não imagina a batalha que sua família trava nos tribunais contra os produtores do jogo. Aos oito anos de idade, Milton Luiz Lourenço é a pedra no sapato da gigante americana Rockstar Games, empresa que comercializa o game e faturou quase US$ 1 bilhão ano passado. Isso porque os advogados do garoto conseguiram uma decisão judicial que proíbe a venda de sua versão mais recente, A Balada do Tony Gay, não só no Brasil, mas no mundo todo, por usar uma das músicas que ele interpreta sem pagar direitos autorais.

O GTA é uma das séries de videogame mais vendidas — e polêmicas — de todos os tempos. O quarto episódio, lançado para Playstation 3, Xbox 360 e PC, já vendeu mais de 17 milhões de cópias. Nele, o jogador vive um fora da lei, que é incentivado a roubar e matar para atingir seus objetivos. Em uma das missões do jogo A Balada do Tony Gay, que expande a história original do GTA IV, o personagem entra em uma casa noturna e escuta uma música brasileira tocando ao fundo. É um trecho do funk Bota o dedinho pro alto, cantada por Miltinho e composta por seu pai, Hamilton Lourenço. Mas nenhum dos dois recebeu nenhum centavo pelo uso do batidão.

Quando consegue algum tempo livre entre as aulas, os deveres de casa e as partidas de videogame e futebol com os primos, Milton encarna o MC Miltinho. Em junho do ano passado, ele e o pai foram até um estúdio no Rio de Janeiro e gravaram o funk que provocou toda a confusão. Foi questão de meses até o refrão “Vem menina vem sem medo, que eu vou te ensinar” começar a fazer sucesso nos bailes cariocas e em rádios do Brasil inteiro. Os versos chamaram a atenção do DJ alemão Daniel Haaksman, um dos responsáveis por levar o funk carioca para a Europa. Ele remixou a faixa e a lançou pela gravadora Man Records com o nome Kid Konga. É essa versão presente no game.

Foi só no começo deste ano que a família de Miltinho ficou sabendo que sua música tocava nas pistas da Europa e em um dos games mais vendidos do mundo. No começo, ficou bastante orgulhoso pela fama repentina. “O problema foi quando fiquei sabendo que deveria ter ganhado dinheiro com isso, mas não ganhei nada”, diz. E, agora, ele tem a chance de reaver um dinheiro que pode mudar sua vida.

Vida de funkeiro Milton mora com a mãe, Luana Monteiro, na periferia de Duque de Caxias, município ao sul da capital fluminense, em uma casa simples, de dois quartos, sala e cozinha. Ela acabou de passar por reformas, mas o quintal ainda precisa de uma mão, que não veio por falta de dinheiro. Miltinho tem hora certa para fazer a lição de casa, ver TV e jogar videogame. Bagunça mesmo, só na casa da avó. O menino comportado sai de cena, no entanto, quando o assunto é a música. A fama de MC já percorreu toda a vizinhança. Nas ruas, as pessoas pedem para que cante um trechinho de seus sucessos.

A resposta vem de imediato: “Tá bom, mas você vai pagar quanto?”. Apesar das brincadeiras, ele sempre faz apresentações para os amiguinhos e faz questão de agradar os fãs. “Nas meninas, eu dou um beijo e um abraço”, diz. A indiferença que o garoto nutre pelo sucesso talvez venha do fato de não gostar de cantar por obrigação e já demonstrar cansaço com o “estrelato”. Ser funkeiro não é seu objetivo de vida. “Quero ser engenheiro civil e ganhar bastante dinheiro trabalhando em coisa boa. Gosto de cantar só por farra.”

Até o começo do ano, Miltinho estudava em uma escola particular localizada em um bairro próximo de sua casa, mas teve que mudar para uma estadual por falta de dinheiro para as mensalidades. Sente falta das aulas de inglês, língua que já começava a dominar. Na terceira série da escola, a única reclamação das professoras vem do fato do menino não gostar de anotar no caderno as matérias passadas em sala de aula. “Mas ele guarda tudo na cabeça, como faz com os funks do pai”, diz a mãe, Luana.



As duas vidas de Miltinho: em um estúdio no Rio de Janeiro, Milton grava um novo funk, sob a supervisão do pai. Quando não está envolvido com o mundo da música, o garoto leva uma vida tranquila, com a mãe, numa casa simples na periferia de Duque de Caxias


Crédito: Stefano Martini
 
 
Ela se refere às músicas compostas por Hamilton, um dos precursores do batidão no Rio de Janeiro. Conhecido no meio musical como MC Batata, é responsável pelo famoso A Feira de Acari, um dos primeiros funks a estourar nas paradas de sucesso, no começo nos anos 90. Chegou a virar trilha sonora da novela Barriga de Aluguel, da TV Globo. Hoje, aos 50 anos de idade, Batata agencia outros músicos e organiza bailes funk. O funkeiro das antigas trata Miltinho como o herdeiro de sua tradição musical. Pai e filho moram em casas diferentes, e por isso acabam tendo uma relação mais distante. Os momentos de maior sintonia ocorrem nos dias em que passam juntos e, meio de brincadeiras, meio a sério, cantam e ensaiam novos hinos do funk. O garoto gravou sua primeira música aos seis anos de idade. Hoje, já tem oito músicas em seu repertório. Além do funk do dedinho, lançou O Pica-Pau e Ih, Tá Maneiro.

Mas a família nunca ganhou dinheiro com os sucessos do filho. “Nunca foi essa minha intenção. Além disso, por conta da idade, ele não pode cantar em bailes funk”, diz o pai. Acompanhamos a gravação da nova música do MC Miltinho: Força, Fé e União, no Rio de Janeiro. “Essa música vai estourar”, diz Batata. “Vou colocar pra estrear no programa de rádio do DJ Marlboro.” Com o pai do lado, ditando trechos da música e explicando algumas variações do tom, Miltinho assume o papel de MC: “Nossa força vem, vem do coração, sou apenas mais um pobre querendo ganhar meu pão”.

A força que vem da grana No processo judicial movido contra a Rockstar, a família pede uma indenização no valor de R$ 500 mil, por conta dos direitos autorais, danos morais e materiais. O que Milton faria se ganhasse toda essa bolada? “Ia gastar dinheiro!”, diz Miltinho, com cifrões nos olhos. A mãe é mais precavida: “Vamos mudar de bairro, ir pra um que tenha melhor infraestrutura. Vou poder pagar uma escola melhor pro Miltinho, além de bancar cursos que ele sempre quis fazer, como de violão e futebol. Mas ainda não sabemos quando e nem quanto dinheiro virá”.

O caso ainda está longe do final. Antes de entrar na justiça, os advogados de Hamilton contataram a Rockstar. “A gente tentou negociar com eles durante três meses. Mas eles falaram que tinham uma autorização assinada para usar a música”, diz Thiago Jabur, um dos advogados da família. O documento apresentado vinha em nome da Man Records, a gravadora que lançou a música na Europa. Ele cedia ao produtor Daniel Haaksman todos os direitos sobre a música e trazia a assinatura do pai de Miltinho. “Mas eu nunca assinei nada”, diz Hamilton.

“As assinaturas eram falsificadas, não correspondiam com nenhum documento pessoal do Hamilton”, diz o advogado. De fato, na assinatura, o nome está escrito sem o H: Amilton. No dia 14 de outubro a 3ª Vara Civil de Barueri expediu uma liminar que obriga a Rockstar Games e a Synergex, que distribui o game no Brasil, a retirar o jogo das lojas. Procurada, a empresa americana afirma que não irá se pronunciar pois ainda não foi notificada da decisão.

Como Brasil e Estados Unidos são signatários de tratados internacionais sobre direitos autorais, a ordem pode ter valor em solo americano. “Se chegarmos a um acordo, o jogo poderá voltar a ser distribuído normalmente”, diz Thiago. É tudo o que Miltinho quer: poder jogar seu GTA em paz, sabendo que, cada vez que ouvir sua voz, uma moedinha cai na sua conta.





Fonte:















 

13 comentários:

Carlos Henrick disse...

certo ele !

se ele pode ganhar em cima disso LEGALMENTE , sem safadeza ou falcatrua está mais certo do que qualquer um !

espero q ele consiga ganhar e que mude de vida !

Anônimo disse...

Affs menino hipocrita.... de boa ta certo isso...mais fica jogando loucamente GTA e tenso em...pais querendo ganhar dinheiro em cima disso ainda

Anônimo disse...

o muleke temq e pedi dinheiro e nao a obribiçao do jogo,tomara qe nao ganhe nada tambem
a rockstar tem essa fama,de ser processada e nao paga nada

FABIO disse...

Na minha opiniao é só mais um que quer ganha em cima dos outros ele podia dar graças a deus da musica dele tá fazendo sucesso em vez de tá querendo montar em cima dos outros!!!!

Anônimo disse...

O pai desse menino devia era ser preso! Compor uma musica ridicula e ainda querer acabar com o melhor jogo de todos os tempos!!!

Fernanda disse...

Gostei do Post! Já pensou em divulgar também no www.plik.com.br ?

M4ST3R_C4LCULU5 disse...

Funk carioca é LIXO, batidas retiradas de outras músicas, uma porcaria que só copia os outros, e cheio de oportunistas.

R. Carvalho disse...

Mais se a musica é deles, eles tem todo o direito de ganhar em cima disso, vcs falam mal do guri mas queria saber se fosse alguma ideia de vcs q fosse roubada se vcs pensariam dessa forma.

Anônimo disse...

vai firme que vc consegue so porque a rockstar e famosA TEM QUE APROVEITAR DAS PESSOAS NÃO LIGA PARA O QUE ESSES INDIOTAS ESTÃO FALANDO BEIJOS ADORO SUA MUSICAS

Anônimo disse...

Na real mesmo esse pia ai perdeu dinheiro, se a musica continuasse no game ele iria ficar famoso naum só aqui
no brasil mais em todo o mundo enfim .... Tem gente q
tem as cartas na mão mais nam sabe jogar. Ach oq com uma
boa conversa td se resolveria (y)

Anônimo disse...

e foda msm,porra o pai do muleke compõe uma porcaria dessa que chama de "musica" bota uma criança inocente pra cantar essa merda poluindo a mente do muleke com essa merda de funk e agora quer ganhar milhões com uma letrinha que qualquer retardadeo poderia fazer .e eu aqui trabalho com musica a anos de forma séria e nunca irei ganhar o que um muleke que canta uma frase idiota e agora quer milhões por isso...mais tem um lado bom nisso eles nunca iram ver a cor desse dinheiro alguem duvida disso?

Anônimo disse...

é isso mermo, n dá mole n. Se a música é do garoto tem q correr atras mermo. esses americanos tudo quer furar o olho. bem feito a rockstar tomo bem no meio do *****

Albert disse...

Se houve acordo eu não sei, só sei que a venda do jogo não foi proibida.

Comprei o "Episodes From Liberty City" ORIGINAL há 1 ano sem dificuldades pela Internet, e ontem passeando pela FNAC lá estava o game na prateleira.

O "Episodes From Liberty City" vem com dois jogos: "The Lost and Damned" e o "The Ballad of Gay Tony", com a porcaria da música.

Achar que esse processo iria vingar é uma piada. Além do mais, ô música tosca do cara***. Por mim a Rockstar podia lançar um patch e remover essa porcaria que mais serve para manchar a imagem do Brasil no exterior do que para alguma "homenagem" ou "divulgação do trabalho" (sic) desse desconhecido ingrato.

We don't need this shit.

Postar um comentário

Antes de comentar, leia os termos de uso.

Não aprovamos os comentários:

1. não relacionados ao tema do post;
2. com pedidos de parceria;
3. com propagandas (spam);
4. com palavrões ou ofensas a pessoas e marcas;

#ZICAZERO